Em meio à pandemia, jornalismo muda para informar mais

Por Victória Meneghetti Atualizado em 6 de abril de 2020 às 17:24 horas



Considerado serviço essencial durante a pandemia causada pelo novo coronavírus, o Jornalismo tem cumprido um papel fundamental nesse momento. A alta demanda por informação atualizada tem alterado significativamente a rotina das redações. O jornalismo mudou também seu formato e remodelou-se para atender a essa demanda, sempre focado em levar a informação verdadeira, confiável e instantânea a população. ​ As coberturas tornaram-se mais extensas. Convidados com embasamento científico têm explicado quais cuidados tomar frente a uma das maiores pandemias da história da humanidade. Com todas essas mudanças radicais, como os jornalistas têm enfrentado mais essa novidade? ​ A Covid-19 traçou novas formas de trabalho no mundo. O jornalista gaúcho Marcelo Cosme, apresentador do canal GloboNews e também de programas em TV aberta da Rede Globo, tem vivido essa realidade. “É novo, o tudo. A forma como a gente lida com os colegas, com os equipamentos, como a gente se comunica. É uma mudança global, imediata e para todos juntos”, comenta. ​

Marcelo Cosme - Globo News

A cada dia o volume de notícias produzidas aumenta, são boletins, reportagens, manual de cuidados. Além disso, as fake news não param. Em meio a uma pandemia as notícia falsas se tornam um problema ainda maior, e a informação verdadeira e confiável é ainda mais preciosa. Para combater essa desinformação, o chamado paywall foi derrubado: a informação relacionada ao coronavírus tornou-se gratuita em grande parte dos veículos de comunicação. ​ O jornalista está à frente de uma cobertura extensa e humana, que envolve o sentimento de milhares de pessoas em situação delicada. Ele ainda tem que lidar com a enxurrada de informações, conta Micheli Aguiar, coordenadora dos jornais digitais do Grupo Sinos. “Esse é o ponto principal, é uma pandemia de informações. Precisamos organizar esse conteúdo para entregar ao leitor. É desafiador também organizar como vai produzir, onde vai publicar e como vai distribuir essa informação, porque são questões importantes”, explica. ​

Micheli Aguiar

O coronavírus aumentou as tensões para todos os profissionais que estão na linha de frente, aqueles que estão trabalhando para o bem da sociedade. O jornalismo desempenha um papel importante como transmissor de informação. Micheli conta como está sendo viver esse momento. ”É um pouco difícil lidar com essas emoções, com o psicológico. Nesse momento tenho uma ansiedade muito grande em entregar a notícia com a maior rapidez possível. Estou trabalhando em 'home office', no momento”, relata. ​ O ato de trabalhar a partir de casa agora faz parte da realidade de grande parte da população, mas nem todos os jornalistas conseguem atuar nesse formato, variando conforme a sua função e demanda de trabalho. A assessora de comunicação da Prefeitura de Gramado, Letícia Rossa tem vivenciado essa mudança. “Fizemos uma escala de turnos nos dias de boletins epidemiológicos, decretos municipais, porque a demanda de trabalho é maior e não conseguimos fazer alguns trabalhos à distância, como a criação de vídeo para as páginas”, conta. ​ As transformações geradas pela pandemia devem ser percebidas pelos próximos anos. “Sem dúvidas essa cobertura da Covid-19 pra mim é a cobertura mais importante. Isso que eu já passei por um processo de impeachment da ex-presidente Dilma em Brasília e a Operação Lava-Jato. Eu pensei que seriam marcos na minha trajetória, serão marcos, mas dividem espaço com esse momento que é desafiador para todos”, ressalta Marcelo Cosme. ​


Paywall derrubado ​ Em 30 de janeiro diversas editoras científicas do mundo inteiro decidiram compartilhar os seus estudos a respeito do vírus chamado Covid-19. Com o grande crescimento de infectados, o vírus chegou ao patamar de pandemia mundial rapidamente. ​ Em 11 de março, diversos jornais internacionais derrubaram o paywall (sistema que impede o acesso de não assinantes a notícias) relacionado às matérias sobre o coronavírus. Diversos pesquisadores afirmaram as justificativas mais comuns para essa medida, dentre elas, destacam-se: informar ao público em crises emergenciais, aumentar a exposição de eventos planejados, aumentar a audiência e experimentar o que é o sistema de paywall estabelecido como modelo de negócio das publicações, além do grande embasamento nas orientações para a população.

3 visualizações0 comentário